domingo, 21 de novembro de 2010

A Religião de Karl Marx



Essa reflexão é fruto de mais um dos inúmeros trabalhos que tenho que entregar neste final de período da faculdade. O texto baseia-se numa reflexão sobre o sexto capítulo de Filosofia da Religião de Giuseppe Staccone.

Pode-se considerar Karl Marx, ao lado de Sigmund Freud, Friedrich Nietzsche e Charles Darwin, como um dos alicerces do espírito ateísta de nossos tempos. “Religião é o ópio do povo” sentenciou Marx seguido, então, por muitos “intelectuais” contemporâneos. Entretanto, ao contrário desses outros pensadores ateus¹ citados, Marx nunca escreveu um tratado específico contra a religião. Seu espírito anti-eclesiástico e ateísta era manifesto através de suas obras.

O ateísmo parece ser um pressuposto da teoria marxista, já que a religião, mais especificamente a Igreja Romana, é alicerce da tradição e, portanto, da superestrutura da sociedade contemporânea. A revolução marxista implica a subversão desses valores da tradição e, portanto, de seu maior representante: A Igreja  Católica Apostólica Romana. Antonio Gramsci parece ter entendido isso perfeitamente no seu conceito de hegemonia e do intelectual orgânico. Este é o sustentador daquela. Assim, para que a revolução comunista procedesse fazia-se necessária a formação de intelectuais orgânicos vinculados à causa marxista. Estes seriam os responsáveis pela subversão dos valores da tradição e abririam espaço para recepção da revolução comunista. Não há verdade para eles, tal conceito é puramente burguês. O que importa é a construção de uma nova realidade que terá como fim o proletário.

Karl Marx foi influenciado pelos jovens hegelianos e sua crença na completa desassociação entre Filosofia e Teologia. Eles defendiam a completa emancipação da Filosofia do domínio da Teologia. A racionalidade encontra seu ápice aí, embora eu acredite que implícito nesse conceito de racionalidade esteja o conceito de naturalismo, isto é, a cosmovisão que concebe o universo, digamos, como uma caixa fechada onde tudo que existe e acontece encontra-se dentro desta caixa, portanto, as explicações e causas devem ser buscadas no interior dessa caixa. Não há espaço para influências externas tais como um Deus ou qualquer entidade metafísica. Essa concepção de racionalidade me parece deveras errônea. Não há nenhuma necessidade lógica do naturalismo para a racionalidade. Até porque se, de fato, houver um ser tal como Deus ou houver alguma ordem sobrenatural atuante, ou criadora, no universo fica difícil compreender como poderemos chegar a alguma conclusão racional sobre o universo e nossa existência sem levarmos em consideração tal pressuposição. Foi C.S. Lewis quem sabiamente afirmou que a última coisa que a questão de Deus pode ser é ser “mais ou menos importante”, pois das duas possíveis – e antagônicas - respostas a essa pergunta se derivam conclusões radicalmente opostas.

Se me for permitido fazer um comentário fruto das minhas convicções cristãs, cito um trecho do prefácio do livro Theology and the Kingdom of God do teólogo alemão Wolfhart Pannenberg. Pannenberg é um crítico do subjetivismo teológico de R. Bultmann e K. Barth. Para ele a teologia cristã é uma dentre outras conflitantes cosmovisões que buscam se impor e explicar o universo e a natureza humana. A Teologia é uma empreitada pública aberta ao escrutínio da razão. Traduzindo livremente:

Se por razão alguém quer dizer as ideias que constituem a sabedoria convencional, então há muito na sabedoria bíblica que é “irracional”. Jesus disse que os últimos serão os primeiros, aquele que perde a sua vida a ganhará, e outros ensinos aparentemente irracionais. Paulo afirma que é um tolo por Cristo. Tais afirmações, insiste Pannenberg, não constituem um abandono da razão. Ao contrário, o argumento de Paulo é que seus oponentes estão arrazoando a partir de falsas premissas, pelas quais ele seria julgado como tolo. Contra isso ele afirma um outro conjunto de premissas e procede a defender a racionalidade de sua posição. Da mesma forma, Jesus convidou seus discípulos a segui-lo porque seu estilo de vida era razoável.

Vemos, então, o contraste do pensamento de Pannenberg e o pensamento moderno, como também do pensamento teológico de R. Bultmann e K. Barth. A racionalidade de uma proposição depende das premissas nas quais ela está baseada, portanto, a questão metafísica sobre a existência ou não de uma ordem sobrenatural é de fundamental relevância, mas jamais o naturalismo pode ser uma exigência lógica da racionalidade. Em síntese, o que temos aqui é um conflito entre cosmovisões diametralmente opostas: o naturalismo contra o supranaturalismo.

Mas, voltemos ao texto sobre Karl Marx. Para Marx a filosofia tem sua própria confissão de fé: o ateísmo, a radical negação de todos os deuses. Disse ele:

A Filosofia, enquanto uma gota de sangue palpitar em seu coração, triunfador do mundo e inteiramente livre, não cessará de clamar com Epicuro aos adversários: Não é ateu quem despreza os deuses da multidão e sim aquele que adere às opiniões do vulgo acerca dos deuses. A Filosofia não dissimula. A profissão de fé de Prometeu, resumida nesta única frase: 'odeio de coração a todos e a cada um dos deuses', é sua própria profissão de fé, seu lema contra todos os deuses do céu e da terra que o reconhecem a autoconscncia humana como a divindade suprema. Não pode haver outro deus ao lado deste"
Discordo, como já explicitei, da exigência naturalista para o pensamento filosófico. Aqui, então, gostaria de denunciar o que me parece ser a religião de Marx: a autoconsciência humana. Como pode Marx ter essa certeza da centralidade da autoconsciência humana? Parece-me que aqui vemos um compromisso religioso de Marx e, acho que posso dizer, do Marxismo. Não seria também essa posição uma espécie de ópio? Em que se apoiaria tal proposição marxista para que possamos julgá-la como racional ou não? Parece-me que não há lá como fundamentar tal afirmação. Aqui temos uma pressuposição marxista. Uma pressuposição religiosa. Naturalista é verdade, mas ainda assim religiosa tal como Paul Tillich definiu a fé religiosa: “estar tomado por aquilo que nos toca de forma última”. A pressuposição marxista me parece tão dogmática quanto qualquer pressuposição religiosa. Isso se evidencia ainda mais nas promessas utópicas do marxismo ao sonhar com um tempo onde os homens terão tudo em “comum” sem sequer a necessidade do Estado, que será abolido por fim. Isso nada mais é do que trazer a esperança cristã de um vindouro Reino de Paz para o presente. Nas minhas limitações filosóficas não encontro diferença nenhuma entre  tal crença marxista e a religiosa.


¹ Um leitor me questionou pelo fato de eu ter colocado Darwin entre "pensadores ateus", pois ele não era ateu e sim agnóstico. Ele tem razão, Darwin nasceu anglicano, foi leitor de William Paley, mas morreu agnóstico e não ateu como eu dissera. Veja sobre a visão religiosa de Darwin aqui.
². PARINETTO, L., Karl Marx sul/a religione, ed. La Nuova Itália, Firenze, 1980 -
(é uma antologia de 585 páginas de textos marxianos sobre a religião, com relativos breves
comentérlos) - p, 148,

9 comentários:

zwinglio rodrigues disse...

Vitor, paz!

Ficou legal esse novo tema!

Mas, sobre o texto, lhe pergunto:

Você acha que ao dizer que a religião era o ópio do povo Marx estava preocupado em condenar a religião ou estava ele criticando a sociedade que acabava por conduzir as pessoas ao "entorpecimento" que a religião oferecia como sendo um refúgio?

Já li em algum lugar que antes da célebre frase "entorpecida" -haha-, ele teria dito qye a religião seria uma espécie de suspiro da pessoa oprimida.

Como você enxerga essa questão?

Abraços!

Eduardo Vaz disse...

Vitor
paz e graça
Amado, seu texto é ótimo e claro..vc nao está querendo redefinir marx, mas sim mostrar que a postura naturalista por trás de seu pensamento vem baseado num ato de fé religiosa no naturalismo..Como Phillip Johnson insiste em dizer: temos que fazer as perguntas certas, e a pergunta certa seria: Como marx da seu salto em afirmar seu naturalismo sem aclarar seus pressupostos? tá aí um erro que todo materialista e naturalista comete...Enquanto nao explicarem isso sua fé continuará surreal, irracional e forçada..

parabens
Eduardo vaz

zwinglio rodrigues disse...

Eduardo, paz!

É impressão minha, mas você se comunica com Vitor e ao mesmo tempo comigo?

Se sim, responder-lhe-ei; se não, desculpe-me pela abordagem.

"Se sim"

Minha pergunta feita ao Vitor não visa questionar o que ele escreveu no texto. Aliás, ele está tão claro pra mim quanto está pra ti.

Eu apenas busquei dialogar sobre o contexto maior da frase marxiana - "a religião é o ópio do povo".

Nada mais, nada menos.

Abraços!

Vitor Grando disse...

Zwinglio,

Nas palavras do próprio:

"De um lado, a expressão da miséria real e, do outro, o protesto contra
ela. A religião é o soluço da criatura oprimida, o coração de um mundo
sem coração, o espírito de uma situação carente de espírito. É o ópio do
povo".


Sua pergunta é muito interessante. Pelo que já pude ler de Marx parece sim que ele condena a religião e seus valores e não somente a sociedade que empurra o homem para a religiosidade. Assim, ele ataca tanto a sociedade quanto à religião em si.

Um abraço,

Vitor

Vitor Grando disse...

Eduardo,

É exatamente esta a questão. A maioria dos naturalistas tomam o naturalismo como ponto de partida e a partir disso proferem seus ataques. É ilógico!

Um abraço,

Vitor

zwinglio rodrigues disse...

Vitor,

não há dúvidas da indisposição de Marx para com as religiões... Acredito que o materialismo marxiano é o ateísmo, por exemplo, é indissociável.

Agora, o usso da célebre frase "a religião é o ópio do povo", a meu ver, é usada de maneira descontextualizada e não faz justiça ao que ele estava dizendo.

De alguma maneira, em alguns casos, isso se constitui em uma desonestidade intelectual.

Por outro lado, àqueles que citam-na sem o conhecimento contextual, acabam por revelar uma ignorância teórica.

Sendo assim, eu penso que usar tal frase para apontar a repulsa de Marx em relação as religiões, precisa ser feita com o cuidado de apontar outros contexto nos quais ele de fato crítica as religiões.

Essa frase usada isoladamente é um equívoco.

Abraços!

Francisco Razzo disse...

Caro Vitor
Interessante o texto, mas o Giuseppe Staccone é extramemente marxista-gramsciano. A leitura dela a respeito da filosofia da religião é bem tendenciosa, você não achou?

Abraços
Francsico

Vitor Grando disse...

Razzo,

Não li o livro todo (chato demais!).

Mas pelo capítulo que li, percebi que ele é sim marxista.

Um abraço,

Vitor

Eduardo Queiroz Peres disse...

O triste é ver o pensamento marxista infiltrar na igreja, tendo aceitação por pessoas que pensam que podem isolar o ateísmo e materialismo de Marx de sua ideologia.
A igreja católica brasileira sofre disso com a Teologia da Libertação, e nós, os evangélicos, corremos o risco de ter também a ideologia marxista misturada com o evangelho, com os pastores da "missão integral", que é muito bonita na sinopse da proposta, mas se prestarmos atenção nas pregações e discursos, dá para sentir o cheiro de Marx, Engels e até mesmo Gramsci. Isso está se tornando muito popular entre os cristãos universitários que, apesar de estudados, não possuem erudição teológica ou filosófica para perceber as sutilezas ideológicas misturadas no evangelho.

 
Free Host | lasik surgery new york