domingo, 13 de janeiro de 2008

Atos 17,18 e 19 e a Necessidade de Lideres Intelectuais na Igreja

O Pensador de Rodin

O período histórico em que a Igreja Cristã se mostrou mais saudável, sem dúvidas, foi o período registrado no livro de Atos e, justamente por isso, é desse período que devemos buscar o modelo de Igreja mais apropriado. Mas ao compararmos as práticas dessa Igreja de 2000 anos atrás com a Igreja contemporânea, a diferença é gritante. A Igreja se preocupa muito no porquê de não alcançarmos os mesmos resultados da Igreja de Atos, mas nossa preocupação deveria ser menos em atingir os mesmos resultados da Igreja de Atos e mais com o modelo de Igreja que agrada a Deus, o modelo que Atos nos ensina. Não devemos focar nossa atenção no fim, mas sim no meio.

Os capítulos 17, 18 e 19 do livro de Atos revelam um principio declaradamente ignorado nos nossos dias – a importância de liderança intelectual na Igreja. O grande responsável pela expansão do Cristianismo naqueles dias, o Apóstolo Paulo era uma referência não só espiritual, mas também intelectual. Enquanto nós tendemos a mistificar por demais a pregação das boas novas, vemos que Paulo usava de toda sua habilidade intelectual para, literalmente, persuadir as pessoas a crerem em Jesus Cristo (At 17.4). Porque não deveríamos fazer o mesmo?

Paulo era um homem altamente intelectual que não perdia uma oportunidade de arrazoar com os gentios acerca das Escrituras (At 17.1) ou de enfrentar com argumentos, os filósofos da época (At 17.18), inclusive citando poetas pagãos por pelo menos três vezes em seus escritos (At 17.28, 1Co15.33, Tt 1.12) e ainda ensinando na Escola de Filosofia de Tirano (At 19.9). Outro que merece menção por sua habilidade de persuasão e oratória é Apolo que usava de suas habilidades naturais para convencer os judeus, por meio das Escrituras, que o Cristo é Jesus (At 18.28). Em cinco ocasiões, apenas nesses três capítulos de Atos, são usadas as palavras persuadir (At 17.4, 18.4, 19.8), convencer (At 18.28) e arrazoar (At 17.2). Tais palavras se referem essencialmente ao uso do intelecto.

É notória a diferença entre como a Igreja de Atos encarava a importância do intelecto e como nós hoje a encaramos. Hoje, talvez a maioria dos pastores não tenha sequer treinamento teológico. Filosófico então nem se fala. Por isso a Igreja é presa fácil para a influência do pensamento secular. Enquanto os futuros lideres e influenciadores dos valores da nação, sejam estes advogados, psicólogos, cientistas, médicos, filósofos estudam no mínimo quatro anos para tirar um diploma de bacharel. Nossos pastores desprezam o valor do estudo em seus ministérios, muitos nem sequer buscam instrução teológica, quanto mais de qualquer outra ciência. Qual cristão é citado como fonte de informação quando se trata de história, filosofia, psicologia, sociologia ou política? A Igreja nunca vai influenciar positivamente a cultura enquanto desprezar o valor pensamento, que é o que realmente move a cultura. O sociólogo John G. Gager apontou que apesar de a Igreja primitiva ter sido um movimento minoritário que enfrentou o desprezo e marginalização cultural e intelectual, ela só manteve a unidade interna e o testemunho corajoso por causa do papel dos intelectuais e apologistas Cristãos da época. A Igreja sabia quem eram seus intelectuais e apologistas e isso dava confiança e força para eles enfrentaram a marginalização pelo resto da sociedade. Hoje, a situação não é diferente, a Igreja Evangélica é ridicularizada pela sociedade, mas com a triste diferença que não temos uma liderança intelectual para nos apoiar. Se quisermos vencer devemos nos preparar para a batalha. Uma batalha que não é travada nas ruas, mas sim nas Universidades do país de onde saem os futuros lideres da nação. Enquanto o pensamento for reduto de Satanás, fica fácil de saber quem se sairá vencedor.

Vitor Pereira 02.09.2007

7 comentários:

Fraternus disse...

Oi Vitor,

incrível mas também estou ocupado com Atos já tem um tempo.
Comecei a ler a Bíblia novamente pelo livro de Atos e estou no Capítulo 20.
Em meu Blog em alemão há alguns pensamentos.
Vai aí alguns outros textos nossos em português.
-----------------------
Tem muitas explicações simplistas do que é evangelho por isso não creio em certas leis espirituais.
A direita americana nos transmitiu uma “Herança maldita – evangélica”. Temos que livrar nossa nau do peso de um evangelicalismo preconceituoso com cores imperialista.
Parabéns pelo Post.

Andinho disse...

Encontrei hoje este blog e fiquei bastante impressionado com o conteúdo, pois o que sobra aqui são as coisas que mais faltam em nossas igrejas: visão cristocêntrica, preparo apologético e uma fé com os pés no chão. Parabéns!

Andinho (andersons85@yahoo.com.br) disse...

Em tempo: impressionou-me também a coincidência entre os autores que gosto e os recomendados aqui no blog: C.S. Lewis, Philip Yancey, Lee Strobel, Paul Tournier... Por coincidência, estou lendo Desventuras da Vida Cristã, do Yancey em parceria com Tim Stafford.

Vitor Pereira disse...

Esses autores são mesmo excelentes!

Nós, Bereanos, só temos que nos unir se quisermos ver a situação de nossas Igrejas mudar é só isso que falta: unidade.
Obrigado pela participação!

Me adicionem no MSN
vitorsnt@gmail.com

Valerio Márcio disse...

Vítor,

"óia nóis aqui 'tra veiz". Peço-lhe permissão para colaborar com algumas observações:
"Qual cristão é citado como fonte de informação quando se trata de história, filosofia, psicologia, sociologia ou política?" A verdade é que nem mesmo a maioria dos ditos evangélicos(eta termo complicado hoje!) tem conhecimento de que grandes figuras da ciência foram e são cristãos e viveram sua fé e seu "ministério" sem maiores conflitos. Para ficar em exemplos mais contemporâneos: Werner Von Braun(mentor do programa espacial americando que levou o homem à Lua) e o Dr. Damadian, inventor da hoje popularísima Ressonância Magnética. Por esses e outros exemplos, não creio que o pensamento dito científico seja reduto de Satanás. "Hoje, a situação não é diferente, a Igreja Evangélica é ridicularizada pela sociedade, mas com a triste diferença que não temos uma liderança intelectual para nos apoiar". Apesar de um tanto contraditório, quando ouço falar do propalado crescimento da população evangélica no Brasil, vejo que a ridicularização do evangelho(e não só da igreja) é reflexo justamente da falta que faz a observância do mandamento contido em Josué 1.8. Falei que essa situação é um tanto contraditória porque, aparentemente, a igreja está crescendo.

Vitor Pereira disse...

De fato temos pensadores cristãos que são lideres em suas disciplinas de estudo. Mas estes constituem uma excessão a 'regra'. Outrora, os grandes cientistas e fundadores da ciÊncia moderna eram cristãos praticantes, muitos até padres, mas a situação hoje não é a mesma. Podemos citar uma ou outra autoridade mundial que seja um cristão praticante e viva os principios do cristianismo mas isso não é tarefa das mais fáceis.

Marcel disse...

belo texto, ! PAZ

 
Free Host | lasik surgery new york